Chablis

Descrição

Uma das melhores pedidas da Borgonha, o Chablis nada mais é que um 100% Chardonnay. Distante quilômetros dos outros Chardonnays que são produzidos em massa no Hemisfério Sul, o Chablis tem um caráter distinto, mineralizado, produto dos solos calcários, ricos em fósseis e pelo microclima especial da região. 

A luz do sol limitada e as geadas da primavera, que são superiores a qualquer lugar do mundo, podem devastar as plantações e conferem a este vinho uma centelha revigorante, quase mágica. 

Em 1957 e 1951 a região de Chablis sofreu uma das maiores geadas da história, praticamente devastando as plantações. Desde então os produtores utilizam dois métodos de aquecimento das videiras durante os meses mais frios: o primeiro, com aquecedores a óleo nas fileiras de vinhas e o segundo pulverizando as cepas com água fria. Este método paradoxal acaba por produzir uma película de gelo ao redor do broto da uva, que serve como um pequeno iglu, protegendo-o da geada.

O Chablis tem quatro classificações:

A denominação padrão – Chablis, cobre a maior parte da produção dos vinhedos ao longo do rio Serein, ao redor da cidade de Chablis., 

A seguir, das extremidades mais altas e frias, vem o Petit Chablis. Esta abrange as áreas ao redor da denominação principal.

O Chablis Premier cru é cultivado nas encostas favoráveis voltadas ao sul, incluindo as melhores localizações. Os premiers crus representam com elegância o elemento mineral, os vinhos Chablis mais típicos, mas infelizmente são os mais decepcionantes, devido sua neutralidade e magreza. 

E por fim temos o Chablis Grand cru, produzidos em uma colina no nordeste da cidade, todos voltados para o sol do leste e oeste. Os vinhos da categoria, Grand cru, apresentam todas as características de uma forma mais intensa, embora retenham uma frescura de estilo em comparação aos outros Chardonnays. 

A geologia de Chablis e de suas comunidades vizinhas é de grande importância para esta tipologia e classificação. A região encontra-se na extremidade da bacia parisiense, sobre uma formação rochosa do Jura superior, e a outra extremidade emerge no sul da Inglaterra, perto da cidade de Kimmeridge, que empresta seu nome a mistura do solo de greda, argila e fosseis marinhos. Todo os locais que produzem os Grand cru e Premier Cru tem este tipo de solo.

A camada calcária seguinte, mais pobre e mais jovem, tida com inferior e conhecida como pedra calcária Portland, foram somente atribuídos aos AOC Petit Chablis. 

Quanto ao envelhecimento, a introdução de cubas de aço e de temperaturas controladas nas últimas décadas, contribuíram para a nova reputação do Chablis. 

Ao longo dos últimos 20 anos a produção de Chablis adquiriu uma nova qualidade, pelas técnicas de colheita mecânica, métodos de fermentação e até mesmo pela publicidade, que levou a um grande aumento da procura. 

O Chablis e o Petit Chablis são os melhores quando jovens, até cinco anos. Os bons Premier e Grand cru precisam de pelo menos cinco anos para se revelar, mas podem durar até vinte anos. 

Sua cor é amarelo palha, muito claro, limpo e brilhante. Seu aroma floral, relvado e mineral, é bastante delicado e possui leves toques de maçã verde. Na boca, revela sabores de maçã, frutas cítricas e minerais, com notas de rocha ou aço. 

Perfeito para ser degustado com peixes e ostras, deve ser consumido a 11°C. 

Os melhores produtores estão entre: Domaine Laroche, Domaine Willian Fevre, e Domaine Jean Marc Brocard



Palavra de Chef
palavradechef.com.br © Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento Bitpix Imagem responsiva